Skip to main content.

Arte empoderadora para o Dia Internacional da Mulher

Nesta Semana da Mulher, celebramos a expressão artística como forma de empoderamento e liberdade. Colaboramos com cinco artistas talentosss para criar a The Women's Week Collection.​

Back to top

Kit Agar

"Eu descreveria a minha arte como etérea e feminina, mas não gosto de definir feminilidade como algo específico: não quero limitar o que a feminilidade deve ser."

Fazer arte para mim em primeiro lugar

Eu sou uma artista do Reino Unido, atualmente a viver na Bélgica. Sempre me interessei por arte. Como uma criança tímida, eu gravitava em torno de artes e ofícios para que eu pudesse escapar para meu próprio mundo.

Toda a arte que faço é para mim - mesmo se ninguém estivesse a olhar, eu ainda estaria a fazer o mesmo trabalho. Nesse sentido, minha arte é muito reflexiva. Eu gosto de deixar minha arte viver como ela é.

Back to top

Reyna Noriega

"Encontrei o meu estilo de arte na mesma época em que me encontrei. Houve uma mudança de criar para outras pessoas para criar para mim mesma, e isso acabou por dar mais às pessoas, porque era mais autêntica."

Celebrar as mulheres de forma livre

Sou uma artista e autora visual de Miami. As coisas que me trazem felicidade são as mesmas coisas que me dão inspiração. A minha cultura e meu ambiente são uma grande fonte de inspiração.

Eu queria criar arte que fosse edificante para as mulheres e que celebrasse o nosso melhor, a nossa forma mais livre e confiante. Espero que todas as mulheres se possam rever, na variedade de tons de pele e estilos de cabelo que a minha arte representa.

Back to top

Maxime Rokus

"Encontrei o meu estilo de arte na mesma época em que me encontrei. Houve uma mudança de criar para outras pessoas para criar para mim mesma, e isso acabou por dar mais às pessoas, porque era mais autêntica."

Usar ferramentas digitais para fazer arte

Eu sou a Maxime, um artista residente em Amsterdão. Eu faço arte desde que me lembro, mas decidi estudar design gráfico. Isso não influenciou a minha arte, mas apresentou-me as possibilidades de usar ferramentas digitais.

O processo de criação de arte para mim começa com o photoshop. Procuro camadas e cores diferentes para decidir o que fica bonito e, quando encontro algo que gosto, começo a criar com meu Ipad!

Back to top

Marta Leyva

"A valorização da minha cidade e da minha cultura é algo que cresceu agora que moro no estrangeiro. Comecei a dar mais importância às tradições e à cultura. Em 2017 peguei num pincel pela primeira vez e apaixonei-me!"

Descobri o meu talento ao pintar por acaso

Sou de Barcelona, mas moro em Estocolmo há 10 anos. Em 2017 peguei num pincel pela primeira vez, e apaixonei-me! 6 meses depois aconteceu a minha primeira exposição, que foi um enorme sucesso! Com isso, aprendi que a vida pode mudar para melhor da noite para o dia.

O meu conselho para todos é que sigam as suas paixões e experimentem coisas novas. Se gosta de algo, não deve duvide de si mesmo e vá em frente!

Back to top

Sara Abramson

"A minha arte é sobre ser você mesmo. Acredito que toda a mulher deve ser capaz de governar o seu próprio mundo ouvindo-se a si mesma e sabendo que as respostas estão sempre dentro de si."

Representar força e vulnerabilidade

As mensagens que escrevo nas minhas obras são sinais de onde estou na minha vida. Houve um período em que eu pintava frases como “o que queres?” ou ”o que é que estás à espera?” - foi nessa época que abandonei a minha carreira em telecomunicações para começar a seguir as minhas paixões e me dedicar à pintura.

As mulheres nas minhas pinturas são fortes e vulneráveis: muitas vezes estão a olhar para baixo, a fazer contato visual com o espectador, mas também costumam ter o pescoço exposto. Elas estão a comunicar a sua vulnerabilidade, mas também que tomaram uma decisão sobre como viver as suas vidas.